Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2016

Previna-se das micoses de verão

Imagem
Sol, calor e umidade formam o cenário ideal para o aparecimento destas infecções
Estamos a poucos dias do início do verão, estação mais quente do ano, que também é a mais propícia para o aumento dos casos de proliferação de fungos e microorganismos. Calor, areia, praia, piscina e o aumento da transpiração, comum neste período, formam o cenário ideal para o surgimento das chamadas micoses, que podem provocar infecções incômodas e persistentes. “Unhas, virilhas e pés são as regiões mais atingidas, pois tendem a acumular com facilidade umidade e sujeira”, alerta a infectologista Ligia Pierrotti, do Lavoisier Medicina Diagnóstica. 
De acordo com a médica, a presença de fungos no meio ambiente é natural e nem sempre representa risco à saúde. Isso significa que os microorganismos só prejudicam quando há condições favoráveis para sua manifestação. “As altas temperaturas do verão fazem com que a propagação aconteça de modo acelerado”, diz Pierrotti.
Geralmente, as micoses se iniciam como uma les…

alerta para os perigos de não limpar de forma correta a escova de dentes na sua rotina de higiene bucal

Imagem
Escovar os dentes, passar fio dental e usar enxanguante bucal são hábitos de higiene indispensáveis. No entanto, essa rotina não é suficiente para manter a saúde dos dentes e da boca. Além do ritual diário, observar a limpeza das escovas dentais também é essencial. O contato das escovas com a água corrente e o creme dental não elimina germes e bactérias. Erika Vassolér, dentista e consultora de higiene bucal da Condor, dá dicas importantes para manter a higiene das escovas e proteger a sua saúde.
Atenção para os cuidados
1) O ideal é trocar a escova de dentes a cada três meses;
2) Higienize as mãos com água e sabão antes de iniciar a escovação;
3) Limpe diariamente a escova, de preferência, após a escovação. O correto é fazer a limpeza em água corrente e retirar o excesso de água com uma leve batida na escova. Borrifar ou pingar enxaguante bucal, deixando a parte das cerdas submersa no produto por cerca de 15 minutos, é outra recomendação;
4) Evite deixar a escova descoberta. Busque u…

Brasil deve enfrentar 2º verão com Dengue, Chikungunya e Zika

Imagem
- Pelo segundo ano consecutivo, estima-se que o verão brasileiro terá circulação de três tipo de vírus transmitidos pelo Aedes Aegypti; - Dengue, Febre Chikungunya e Zika são doenças com sintomas parecidos e com consequências distintas, mas apenas para a Dengue há uma forma de prevenção disponível no Brasil;

 O vilão da próxima estação já tem nome e sobrenome: Aedes aegypti. O mosquito é um velho conhecido dos brasileiros, mas o País ainda tem dúvidas sobre essas três doenças que ele pode transmitir: dengue, febre chikungunya e zika – enfermidades com sintomas parecidos, mas com consequências diferentes.
O calor e o grande volume de chuvas previstos para os próximos meses tendem a agravar o problema. Essa é uma combinação nefasta porque aumenta o número de reservatórios potenciais para o mosquito. A temperatura ideal para proliferação é acima dos 30º C, o que deverá ser comum no próximo verão. E a chuva também ajuda, uma vez que o Aedes coloca ovos em água limpa e parada.
A Dengue e a Chi…

Mitos e verdades sobre a proteção da pele

Imagem
Dermatologista do Instituto de Oncologia faz um alerta dos perigos da exposição excessiva ao sol em todas as épocas do ano, faça chuva ou faça sol
O Movimento Dezembro a Dezembro Laranja, idealizado pelo Hospital Santa Paula, faz um alerta sobre os perigos da exposição ao sol sem proteção no ano inteiro, porque o sol não escolhe estação. A ação foi inspirada no Dezembro Laranja, campanha nacional criada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia para aumentar a conscientização sobre o câncer de pele, caracterizado pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele.
“Da mesma forma que o sol pode deixar boas marquinhas de verão, pode deixar marcas para a vida toda”, enfatiza a dermatologista do Hospital Santa Paula Monica de Mello.
O câncer de pele é o tipo mais comum no Brasil e sua prevalência cresce anualmente. Ele responde por 25% de todos os diagnósticos de câncer no país e está dividido em dois tipos: melanoma e não melanoma.
“O brasileiro, independente da estação…

Casos de dengue podem ser confundidos com gripe

Imagem
Confusão no diagnóstico acontece porque os vírus cocirculam e as doenças apresentam sintomas semelhantes
São cada vez mais comuns emergências de hospitais lotadas com casos de suspeita de dengue, no Brasil. De acordo com o mais recente boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde, as três primeiras semanas de 2016 já contabilizaram 73.872 notificações da doença – 48% a mais que o mesmo período do ano passado. E diante desse número alarmante, a dificuldade que surge para os médicos plantonistas e outros profissionais de saúde encarregados de atender as pessoas nos hospitais e postos de saúde é fazer o diagnóstico corretamente. Pois, por conta dos sintomas semelhantes, o paciente com suspeita de dengue pode estar com chikungunya, zika e, por incrível que pareça, gripe.
Um estudo[i] conduzido em El Salvador, publicado na revista científica PLOS, mostrou que de 121 pacientes hospitalizados com suspeita de dengue, 28% eram positivos para dengue e 19% positivos para influenza, o …

Entenda o surto de caxumba que vem acometendo os adultos em São Paulo

Imagem
O número de casos de caxumba registrado no mês de novembro no Estado de São Paulo já é o maior desde que 2001, segundo balanço do Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) da Secretaria Estadual da Saúde. A maior parte dos casos tem sido registrada em adolescentes a adultos até os 30 anos. Mas afinal, porque esse surto está ocorrendo? E sobretudo, porque a incidência é alta entre os adultos?
“O surto ocorre em função do processo de vacinação, que é associado como algo necessário apenas às crianças. É equívoco pensar assim”, afirma Dr. Jessé Reis, infectologista do Alta Excelência Diagnóstica.
Segundo o médico, quando uma criança é vacinada corretamente, leva, geralmente, a proteção adquirida pela vacinação para a vida adulta. No entanto, quando há alguma falha de vacinação na infância, temos por conseguinte adolescentes e adultos desprotegidos, sendo que esses não se dão conta do perigo porque entendem que ‘vacinação é coisa de criança’. “Ainda, há vacinas que requerem reforços periódic…